19/05

A novidade veio pela carteira da UNE, facilitando o comparecimento integral à boa programação costumeira. Pena que a tradição se estenda ao débil serviço de bar, bem resumido pelo preço do uísque.

Dentre as apresentações, Bobby Previte, o “Led Zeppelin do Jazz”, vigoroso e inventivo. Raul de Souza soou “aguado”, assustadoramente breve e aparentemente focado nos comentários sobre a carreira no exterior. Fraco.

O constrangimento marcou presença, primeiro através de um grupo que, percebendo a comida japonesa derrubada por um garçom, não mediu esforços para consumi-la do chão; e, adiante, pelo comentário entreouvido ao lado:

– Nossa, ele disse que vai tocar uma do Ernesto Paschoal!

Até o ano que vem.

18/05

Água gelada, arrepiando, refrescando e animando o corpo. É o que a Jennifer Connelly passa.

Aiai…

17/05

Um conhecido garantiu que, ano passado, hospedado nas cercanias do Catete, um Tcheco, em passagem para um encontro estudantil, ao ver a inscrição da Igreja Universal no antigo cinema Largo do Machado, entrou acreditando na exibição do Cidade de Deus.

16/05

A numerologia garantiu o apoio a Rodrigo Rato, por parte dos EUA, para assumir como novo diretor-gerente do FMI.

Tom Capone e Gimli.

15/05

Passou, ou nunca houve oficialmente a tendência pelo corte de logotipos? Canal Sony, a Coca, possibilidades invariavelmente ampliadas quanto à intervenção da marca, algo saudável e prescrito em boas doses para quem ainda se prende aos dogmas de proteção corporativa.

Em muitos casos, vem a talhar.

– Qual é o ponto mais baixo do Brasil?
– A Praça dos Três Poderes.

14/05

Diante do lamento materno pela minha ausência para o plantão dominical, minha irmã:

– Feliz é ele, que tem uma profissão e gosta do que faz, enquanto eu só recebo ordens inúteis para fazer coisas idiotas.

O grifo é meu.

E desde quando é diferente?

13/05

Pitboys, Rocinha? Ou a espera pelo replay?

Memória curta, a da imprensa. A de todos.

12/05

Olhos semicerrados, o sono engatilhado e triunfante, quando a Lorena – ah, Calábria – irrompe mais uma vez, anunciando os indicados para o Prêmio Multishow. Engasgo. Não se pode ignorar a indicação do Jorge Israel, na categoria Instrumentista.

O mundo não se cansa de perder a linha. E a audição. O pior é aguardar o desfecho previsível.

Ps.: Um concorrente? Yamandú.

11/05

Se a Felicidade é frágil, a depressão prevalece.

« Página Anterior Próxima Página »
 

Powered by WordPress