23/12

Diante do Pinochet, a alegação de demência vem do parteiro.

Descobri que adoro trabalhar ouvindo a música dita “ruim”.

22/12

– Ligo para a loja e a mulher manda um: “É porque é criptografia, meu querido.” Ela faz idéia do que é isso?!
– Deve achar que é leitura de lápide.
– Olha…

Ao dono da verdade: quanto sai o aluguel?

21/12

Uma discussão filosófica – ou outra qualquer – só dá razão ao dono do bar.

20/12

Manoel Renha, há vinte anos responsável por algumas das mais “festejadas” (odeio esse adjetivo) vitrines novaiorquinas, é formado pela ESDI. Mônica, a inspiradora da personagem homônima, também é formada em desenho industrial.

Subliminar.

Uma corriqueira reunião familiar bem se presta à percepção de convencimento, submissão, credulidade e repetição.

19/12

E deu o jornal n’outro dia, que o Brasil poderia passar a Índia.

Em poluição hídrica, talvez.

Tem que ser muito mal resolvido moral e sexualmente, para arrumar confusão gratuita com os outros. Essa molecada de boate, então… prurido forte.

Já dizia Flávia Cintra: “Meu Deus. Que bando de gente à toa e acéfala.”

18/12

Minhanossasenhoradoperpétuosocorro.

17/12

Eu gosto de esportes “solitários”.

Imprimo e encaderno na própria PUC a monografia da Pós em Animação. Ao buscar, o dono da loja: “Parabéns. Dei uma olhada rápida, e é o material mais interessante que apareceu por aqui nos últimos tempos.”

O dia ganho.

A pequena redação, que compõe a nota final junto ao curta de projeto, a ser apresentado em 7 de março, está disponível em PDF (1.3 MB) para quem desejar. A despeito de sua rápida confecção – uma semana –, está enxuta e direta, ou seja, de acordo.

Agora só falta preparar o filme. Valha-me.

16/12

Verão chegando, mulher bonita em árvores. Pressão arterial gritando.

« Pgina Anterior Prxima Pgina »
 

Powered by WordPress