19/05

A constância das fotos cervejeiras pode induzir a percepção de um autor propenso, o que não é o caso. Meu consumo etílico é raro, tendendo a opções de nível que justifiquem os bons momentos. Menor e melhor, como convém.

18/05

– Não consigo fazer duas coisas ao mesmo tempo.
– O problema é ser a segunda.

Rio de Janeiro, onde toda favela é APAC.

17/05

Fico lembrando daqueles tonéis acesos pelas calçadas estrangeiras, a cada nova churrasqueira nas calçadas cariocas.

16/05

‘tô pra ver leitura mais deprimente que área de comentários dos sites noticiosos. É o febeapá azedo, um festival de argumentação choca.

15/05

Ele não tira o olho do extrato.

14/05

Diante do alerta sobre a incompatibilidade do browser, surpreende a redação que o Google utiliza em um de seus serviços:

Se você estiver tentando em corrigir algum problema com um navegador específico e precisa ignorar esta verificação, basta adicionar &browserok=true no fim do URL Google Textos e Planilhas.

Veja bem, usar este parâmetro com falsas intenções vai contra as leis intergalácticas, então tenha cuidado para não ser pego.

Além do mais, não vai funcionar direito, na boa.

13/05

Dia? Hem?

Entre o cinema e a casa, um é meia entrada.

12/05

Eleição é habeas corpus preventivo.

É conveniente incensar apenas o acesso ao que se produz externamente, de ter em nossas ruas um leque enciclopédico, opções culturais em padrão transnacional ou coisa que o valha. E o que mais?

Se o dado se resume à cópia, é fato perdido. Cosmopolita, no meu entender, é outra coisa.

11/05

Faz tempo que eu não rio assim.

10/05

– Minha antiga psicóloga revelou* que a Mônica Martelli e sua peça vêm da análise de grupo da qual participei há alguns anos. De outra formação, claro, que esse tipo de coisa é como o Menudo.
– Hahahahahahaha
– Foi nesse grupo que eu levei uma cantada na sala de espera, certa vez. A mulher que rotineiramente vinha com os relatos mais sexuais começou a elogiar as minhas pernas, comentando que, se houvesse um concurso, ela me escolheria.
– Ui. Comeu?
– Eu procuro ser coerente. Quando falo que não como ninguém, pode confiar.

* Com a permissão da Mônica, para não quebrar a ética.

9/05

Primeiro a notícia inesperada, ruim, encharcando gelidamente um sonho em reta final – que é para eu aprender a não compartilhar antes –, e, na seqüência, um táxi que me ignora em seu interior, perseguindo um motoboy e colidindo com outro carro – e o ignorando até ser pego pelo motorista vitimado.

O fuzuê da inconseqüência.

Adiante, acenando para uma nova corrida, vejo o carro de trás, lotado como um camburão, xingando aquele que encosta por mim.

A raiva toma conta da cidade.

Sempre alheio à percepção da religiosidade impregnada naqueles próximos, e por vezes a mim imputada em um planetinha tão rotulado, cresci ignorando particularidades judaicas, muçulmanas ou mesmo cristãs – esta em menor termo, pela proximidade –, e volta e meia vivendo uma certa insegurança em passar como ignorante – que sou – em aspectos muitas vezes óbvios para a maioria.

E com o tempo eu percebi, ignorance is bliss.

« Pgina Anterior Prxima Pgina »
 

Powered by WordPress