8/03

A história como um conto de haveres:

Do tempo em que se havia

Ao tempo dos prazeres

6/03

Cachos de um moreno quase preto escorrem em parabolóides ao redor do pescoço, densos e volumosos em misteriosos brilhos aninhados pelo marrom da pele. Por entre panos e ribanceiras, ora tensionados, entremeiam-se junto a nuances do colo e dobras de saboneteira.

4/03

Nuas as costas, o trapézio e os ralos pelos do que descreve desde cintura à linha do lóbulo. Paredão, escalada, vale de poros expostos ao Sol das coisas. O que há, senão o corpo, e tão somente e bastante, é o que o olho desbasta a cada novo instante.

25/02

Conforme nos aproximamos o espaço se expande. Ela é só estética; eu sou só estática.

23/02

Enquanto o rosto se curva buscando a leitura, o rearranjo da luz providencia descobertas pelo maciço à maneira da estátua contextualizada pelas fases do dia. O arredondado suave das bochechas, o imperioso nariz sombreando lábios em forma de proscênio. Resta ao queixo a exclamação para tantos arranjos e assanhamentos em pensamento.

12/02

Pelo vestido preto vazam brancuras em caules como o do louro caramelado em um rabo de cavalo. O longo pescoço que não se resume à sustentação presta contas do imaginário em medidas que prolongam o olhar pelo interminável.

5/02

Tudo o que eu disser será segredo e desejo entre cabelos.

No restaurante japonês a descendente desconversa com o amendoado da pele no aconchego visual. O pé displicente sobre o assento; os panos em conluio. Os fios que escorrem pelo rosto revelam olhos de pétala num breu de shoyo.

 

oOo

 

O pálido europeu desenha nuances pelo que a luz sugere no mármore do rosto. Traços fortes, nariz projetado. Algo insinua cor no fundo dos olhos, delicado como convêm aos arredores. Cabelos presos, orelhas rentes e lábios parabólicos.

31/01

O discreto e intermitente ruído por entre os vidros separa a pequena sobreloja da cafeteria do pátio. Passos prenunciam a moça pálida num louro alaranjado das pessoas-mostarda pouco sublinhadas. Uma estrela solitária na saboneteira, o conjunto jeans pouco revelando do sutiã de alças pretas, numa pose da escrita no caderno pousado pela mesa com o celular. O café do copo é o único a esfriar.

28/01

Do pescoço ao redor, e nos arredores, pormenores.

26/01

Os tantos predicados que ela insinua convergem para insuspeitos olhares de observações cotidianas. Não há, como em qualquer momento especial, o especial momento; são das nuances cíclicas e da sutileza diária a real expressão daquilo que se julga a verdade da vida.

22/01

Embebido em lábios, o sorriso recorta o panorama em busca do momento ideal.

17/01

A espera incondicional do restaurante não anteviu duas das moças em rumo contrário; havendo quanto à segunda, morena executiva, o despertar da atenção quando do cruzar de vistas em instantes além-relógio. O fio dos olhos, o flerte insinuado em discreta atenção maliciosa no passar-além; foram esses e tantos outros os instintos disparados pelo que de mais claro se esconde no escuro do cristalino.

29/12

Sobre incontáveis histórias iluminadas pelo cinema, famílias ou amigos, amantes; relações imprimem-se pelo que nos define essa sintonia, muitas vezes tênue, amorfa e surpreendente como o vento que uiva por entre as brechas.

Há, ainda assim, quanto ao poder dos sabores e comidas como que o suspiro em uníssono, o não-verbal e tão humano reconciliar das experiências pelo paladar. São nossas histórias, contos dos quais nos apoderamos por temperos e intensidades que reverberam pelos poros, tensionam músculos e irrigam olhos e memórias.

Talvez seja esse o apelo, então, sucessivo; aquele que me joga às lágrimas diante de toda vivência alimentar. Dos cantos aos tantos.

21/09

Como um rascunho certeiro, a feminilidade resume-se muitas vezes à intervenção preciosa sobre o vazio.

Próxima Página »
 

Powered by WordPress