13/02

Trinta minutos de olhar
Dez de carinho
Vinte de apoio
Não faz receita
Nem contabiliza
É porção de tudo
Para receita de vida.

Pelo passo ou pelo olho aproximo as coisas
Pois há movimento quando persigo o mundo
Despacho e chegada,
Sobre tudo

11/02

As letras que teimam em definir a vida são gaiolas de oxigênio:

Por entre grades vazo
Por entrementes passeio

22/01

Mediante reflexos longínquos observamos o pensamento pelos corpos celestes. Tantos pontos circundados pelo breu absoluto; entretanto claros, sugestivos como a carreira de guias que encaminha o desenho. Por eles espairecemos, costuramos ideias e desejos com a propriedade de quem os liberta. Porque são leves, eles e os olhos em um mar de ponderações.

5/08

La peau est le plus grand organe du corps humain
Elle est également une limite, presque comme une ligne
Une division qui nous définit comme surface
Qui nous aide à percevoir le monde
Par contact, par ses sensations
Surtout à travers d’une définition
Des choses qui sont à l’exterieur ; d’autres non
Nous avons donc un intervalle dans le monde
Cette zone grise entre l’origine et le dehors
Parce que c’est ça la conclusion
Nous sommes l’univers ; le reste, la dissolution

10/05

Entre descrição e realidade, cangote é empate.

9/04

A verdade é uma linha no tear da realidade.

8/04

Uma paisagem que a vida contém há de a ver.

Para todo nariz que se desenha conforme a luz, o propósito é literário: fosse frase, começaria em vírgula pelos lábios, talvez ponto pela respiração. Subiria como parênteses entre as maçãs até sumir no quintal do cenho; daí, em curva fechada, para escorregar pela sobrancelha em longo til sobre o olhar.

A tatuagem na coxa insinua-se short adentro

Esconde seu início – ou solução

Deixa para o outro o complemento

Como quem sugere a conclusão

20/12

Quando a camisola enevoa, a luz abre o contorno. Entre as costuras nos encontramos pela imaginação. São as camadas o gozo, e seu preenchimento a provocação.

19/12

Não fossem dois os pontos, não haveria a linha

Ela, não fosse única, não a seria

Como sem um quadro os ângulos não fechariam quadrado:

Quatro linhas, dois lados

 

Se não fôssemos dupla, que unidade haveria?

Não restaria conjunto como também hierarquia; seríamos, nós mesmos, alegoria.

No calor do afago

O carinho se afoga

31/08

A carreira de pequeninos pelos rodeia a orelha para emprestar textura aos dedos, ou ao nariz que se insinua junto ao abraço.

A mulher-hipérbole é um exagero necessário não pela necessidade em si, a fome de linguagem.

É pelo movimento, o tempo e seus preenchimentos. São ondas e não pretéritos distantes.

Ao invés dos rasos, somente aqueles constantes.

Próxima Página »
 

Powered by WordPress