9/06

Hoje o calendário vinca em meu nome. Pelo que jaz de momento; pelo que traz.

Sob a eterna mastigação das sensações, vamos conjugando. É o tato, o palato, a nesga de Sol cinza pela janela ruidosa do quarto da frente. A sensação amorfa, inconclusa, talvez correta se assim houver o termo.

Parabéns!

30/03

O pontuado que pela respiração se define é o que sobra do marasmo das horas ou dias turvos, do que se perde angustiado, recolhendo-se a pensamentos repetidos e viciados sobre males desnecessários.

Quando tudo é o que resta, o nada é que nos falta.

9/03

É necessário um quê de frondosa. Para virar o rosto acomodando-se pelo ombro em suave malícia, os embaralhados dos cabelos escorregando desde os olhos até o limite dos nossos; movimento e engenho, engrenagem de provocação. As pálpebras que semicerram, as maçãs que sobem o sorriso e o resultado que pode.

8/03

O necessário se dissipa no abraço de casulo, como que deixando a luz conjugar. Olhos nos olhos, nariz que resvala e chamego que arrasta; dois continentes para um todo formar.

Uma planície clara como a cegueira solar faz da calçada um fundo infinito, não fossem ranhuras persistentes do calçamento português entre ilhas de metal-bueiro. Nos brancos e pálidos quase absolutos ela cruza solitária, desafiando os graus do verão com a blusa vermelha no contraste ensaiado. É o diminuto diante das construções que sustentam a aridez; também imprescindível em seu ondular de quadril. E passa.

20/02

A pretensão do acaso sinaliza ao reproduzir as posições da semana anterior em uma prosaica fila de pães. Ali, sob a monotonia do cotidiano o assunto se fecha em suas neutras roupas, como também na face terracota e os castanhos que repicam em suaves carícias sobre o pescoço. Os olhos claros desconversam como que observados, nos poucos instantes que se prestam a grafar pensamentos do acanhado vizinho.

Novos matizes sinalizam em seus olhos. A hora do dia é a mesma; a luz, cotidiana como o ambiente. Mas acontece de percebê-los em profundidade, como gemas num escuro profundo por onde o improvável topa.

Os tons, esses e os já conhecidos; todos aninham-se com os arredores pálidos das órbitas, ou mesmo o rosa moreno que o sol imprime nas bochechas. Suas palhetas.

Há cores demais nela.

1/12

Duas fileiras e um corredor mediam a distância durante o voo, uma perspectiva de enquadramentos e conjecturas possíveis para aquele cenário que se revelava ao redor do assento: A escuridão dos cabelos pelos quais vazava a palidez, as sobrancelhas buscando o espaço, o silencioso tédio, o sortilégio; o abraço.

20/11

Há muito saúdam-se curvas e contornos de qualquer natureza; havendo, no entanto, importante esquecimento quando ao poder dos ângulos que interrompem caminhos e refrescam o percorrer do conjunto. São como incertezas cotidianas traduzidas na derme, daquelas prazerosas e que estimulam o tato, os carinhos, os fundamentos do afago.

5/08

Quando o sol atina para a janela oposta, pela manhã, é que a luz atravessa a rua para explodir o brilho vivo das gemas pendentes, um quase candelabro entremeado pelo castanho das mechas. À maneira dos olhos, é o tom que inquieta e faz perder a letra naquele tanto que dela se espera.

11/05

Provérbios corroem-se pelo provável das relações familiares ou o nome que se dê ao epíteto da relação humana. Mas há momentos, evocações.

Pois foi este encontro materno semanal a desdobrar-se em passado íntimo – se consideradas suas consecuções –, onde pela primeira vez nesses inconclusos 40 anos abracei a dimensão dos fatos e suas conexões; do inexorável até então obscuro.

E poder ouvir de sua voz catártica, embargada, como um filme em clarão fantasmagórico; tudo isso deu brilho, amansou a alma e banhou as pálpebras.

É que pela primeira vez, creio, dou real sentido ao papel da mãe.

Que seja, então, delas e sempre.

27/01

Não havendo o que dizer, contradisse-se.

20/11

Sobre o tempo que não houve, se assim a sentença conforma, o verbo contorce a lógica. Sobra o pleno, instantâneo, zeloso como o horizonte que não se atinge e que a tudo comporta.

Pois agora, sob os fatos é que dizemos: ordenar cabe somente ao conjunto.

A tentativa resume-se a um capítulo, um desenvolvimento independente de conjugador; pelo que há de circunstancial na janela do tempo, um registro que só compete ao passado pontuar.

A recorrência que presume apoderar-se do pretérito não existe, pois dele é integrante.

23/07

Sobre as normas que se pretendem sobre a sensação, é bom que se diga: estatuto parado.

3/07

Diante da inexistência do sinônimo se abre a precisão. Havemos aí, pelo definido, a inequívoca semântica quântica.

Próxima Página »
 

Powered by WordPress